0
 
DIGITO
DIGITO
  PESQUISA  

13 Dez 2002 por Armindo Silva  
Netscape 7.01 bloqueia a publicidade com pop-ups

A AOL lançou uma nova versão do browser Netscape que dá aos utilizadores a possibilidade de bloquear as incomodativas janelas pop-up com publicidade.

 

Relacionados Relacionados

EUA: 10 milhões acedem à Net por telemóvel e PDA

Lançado finalmente o Mozilla 1.0


Mailing-list Assinatura grátis

 Indique o seu e-mail:
 

Publicidade

DIGITO Formação Digito Formação

Introdução à Internet 8 Fev 2003

A Ligação à Internet 8 Fev 2003

Como Configurar o Setup do PC 8 Fev 2003

Introdução ao ASP 9 Fev 2003

 

 

A AOL lançou esta semana a versão 7.01 do seu browser Netscape, com uma funcionalidade que permite aos cibernautas bloquearem as janelas pop-up com publicidade que aparecem em muitos sites na Web.

Não é novidade para a maioria dos cibernautas quão incomodativas são as janelas pop-up com anúncios dos mais variados. Tanto que a unidade de publicidade da Netscape, assim como outros, recebeu vários comentários negativos sobre esta forma de publicidade, muito utilizada pela AOL.

Alguns especialistas acreditam que a nova política da AOL em relação aos pop-ups com o novo Netscape pode levar a que outras empresas optem por abandonar este tipo de publicidade.

O download (31,3 MB) do Netscape 7.01 está disponível no site da Netscape.


 

Tecnologia Tecnologia

Empresa americana quer impedir australianos de aceder à Internet

Mitsubishi anuncia gravadores de DVD a 16X para 2004


Software Software

Falha de segurança no Internet Explorer expõe dados do Clipboard

Sony e Matsushita optam pelo Linux em aparelhos electrónicos


Jogos Jogos

Add-on para Star Trek Starfleet Command III

Xbox sobe o volume de vendas este Natal


Ciência Ciência

Agência Espacial Europeia adia missão Rosetta

China: sucesso no quarto lançamento espacial


E-business E-business

Philips compra fabricante de chips wireless

Gateway/Pressplay: PCs comercializados com 2.000 músicas


Telecomunicações Telecomunicações

Acesso wireless pode ser limitado nos Estados Unidos

Mais de 200 milhões de utilizadores de telemóveis na China